segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

A FAMÍLIA DO ALÉM

ESTRELAS
A mãe, Zibia, foi uma espírita tradicional durante anos. Passou a dedicar-se exclusivamente aos 
negócios por influência do filho Luiz.


Quem são os Gasparettos, o clã muito vivo que transforma mediunidade em bom negócio.

Os Gasparettos são - em carne e osso - uma tradicional família de descendentes italianos entre as tantas que povoam bairros de classe média de São Paulo. Habitam três casas distribuídas em um só terreno no bairro do Ipiranga, na Zona Sul da cidade, reúnem-se para longos almoços de fim de semana, falam gesticulando e tocam um negócio familiar. Mas a vida desta família pouco tem a ver com o dia-a-dia dos 176 milhões de brasileiros. Num domingo desses, por exemplo, a matriarca, Zibia, estava descansando na sala após o almoço, enquanto Irineu dedilhava um violão. Outro filho, Luiz, levantou-se e disse: 'Ele chegou. Vou pintar'. Rumou para outro cômodo, onde o esperavam tintas e uma tela em branco. 'Ele' não era um colega do ramo das artes, nem um amigo que serviria de modelo, nem um professor de artes plásticas.

Tratava-se do espírito de um gênio da pintura que estaria vindo diretamente do Além e iria ajudá-lo a manusear os pincéis. Minutos depois, Luiz voltou à sala e disse ao irmão: 'Apareceu no ateliê um baixinho, troncudo. Ele está dizendo que fez aquela música, 'Chão de Estrelas''. Animado, Irineu nem vacilou: 'É Orestes Barbosa!' Luiz voltou para sua oficina e avisou ao espectro do sambista: ele procurara o médium errado. 'Se é música, o senhor se enganou de sala.'

A matriarca, Zibia Gasparetto, vendeu mais de 5 milhões de livros e está há 10 anos na lista dos mais vendidos. Empatou com Luis Fernando Verissimo

Cenas assim são corriqueiras na família de Zibia Gasparetto. Aos 76 anos, ela é a grande dama da literatura transcendental no Brasil. Há dez anos freqüenta a lista dos mais vendidos no ramo dos livros esotéricos, religiosos e de auto-ajuda. Suas 24 obras, ditadas por espíritos dispostos a enviar ensinamentos aos vivos, venderam, no conjunto, mais de 5 milhões de exemplares. A façanha só foi superada pelo maior médium brasileiro, Chico Xavier, com seus 25 milhões, e por seu sucessor no mercado editorial, o baiano Divaldo Pereira Franco, que chegou à marca dos 7,5 milhões. 

Nesse mundo paralelo, o que diferencia Zibia é a inauguração de um novo gênero. Ela montou uma linha de produção de livros sem pretensões literárias, com toques de auto-ajuda e linguagem adaptada para quem não é iniciado no espiritismo. Conta histórias recheadas de diálogos, fala como uma tia sempre pronta a dar conselhos que ajudam a encarar dificuldades - e atrai chusmas de leitores de classe média. Com seu neo-espiritismo, Zibia vende mais que o humorista Ziraldo, cujos livros são indicados na rede escolar. E empata com Luis Fernando Verissimo. Na retaguarda desses romances açucarados em que a morte não é barreira para o amor verdadeiro, ela conta com uma família que - ao contrário dos espíritas puros - não tem pudores de ganhar dinheiro com a mediunidade. Entre psicografias, cursos e diálogos insólitos com fantasmas, os Gasparettos montaram um pequeno império.

POP STAR MEDIÚNICO 
''Buda era simplesmente um professor de auto-ajuda. Fazia a mesma coisa que eu faço. Se eu tenho o dom, por que não posso ganhar dinheiro com isso?'' LUIZ GASPARETTO, médium que ganha R$ 40 mil em um único dia de curso.

O clã do outro mundo é formado por quatro filhos de Zibia com o empresário Aldo Gasparetto. Todos são médiuns gabaritados, daqueles com alta capacidade de receber pessoas desencarnadas, como se prefere denominar os mortos nessa área. 'Pela informação que tive dos espíritos, eu e meus filhos nos reunimos antes de nascer para fazer um trabalho juntos', explica ela. O filho mais famoso, Luiz, de 53 anos, fez carreira internacional emprestando as mãos - e às vezes os pés - a gênios falecidos. Entre eles estariam nomes como Van Gogh e Picasso. 

Com um índice de produtividade de fazer inveja a qualquer artista vivo ou morto, já pintou mais de 30 mil telas.










O mais velho toca um curtume herdado do pai em Mogi das Cruzes, na Grande São Paulo. A filha é o braço direito da mãe na editora.




 'É uma família meio doida', admite Zibia. 'É comum ficarmos conversando em casa sobre o que disse esse ou aquele espírito.'

O domingo em que o espírito de Orestes Barbosa teria passeado pelo casarão da família Gasparetto, por exemplo, nem seria lembrado não fosse ele ter atravessado o samba e se enganado de sala. Mesmo avisado do engano, o atrapalhado Orestes Barbosa deixou uns versos com o médium errado e se foi. Antes de terminar o domingo, ainda apareceu por ali Ataulfo Alves. 'Ele trouxe a melodia. Houve uma parceria mediúnica', garante Irineu. Não foi a primeira vez que Irineu diz ter composto músicas com medalhões da MPB. Em 1997, lançou um CD em parceria com várias almas ilustres. 

Obras psicografadas são mais antigas que Allan Kardec, o fundador da doutrina.
Mas, no Brasil, os Gasparettos inovam com um marketing espírita que inclui lançamentos de livros, CDs e fitas cassete, programas de rádio e TV, palestras e cursos. A matriarca fez uma opção clara pelo mercado a partir de 1995, quando se afastou da militância religiosa. Deixou o comando do centro espírita Os Caminheiros, que desenvolvia obras sociais na periferia de São Paulo e atendia mais de 1.000 pessoas por dia, para dedicar-se a uma editora própria, a Vida & Consciência, que se tornou uma das maiores do ramo no país. Só com a venda dos livros pode faturar R$ 17 milhões por ano, sem contar a gráfica, que presta serviço a editoras, como Siciliano e Saraiva.

Nada demais para quem vive num mundo capitalista, no qual acumular fortuna não é um sacrilégio, mas um dom. Para o espiritismo puro, porém, usar os 'seres de luz' com objetivo pecuniário equivale a usar um morto para ser muito vivo. Teoricamente, o escritor espírita é apenas um instrumento entre quem foi e quem fica, sem mérito nem pelo estilo nem pelo conteúdo da obra. Por isso, dizem os espíritas, ganhar dinheiro com esse tipo de livro é moralmente questionável. Chico Xavier nunca embolsou um tostão e o baiano Divaldo Pereira Franco doa o que ganha a instituições de caridade, vivendo da aposentadoria de R$ 980 como funcionário público. 'Espíritas têm de trabalhar com o suor do rosto para viver', defende Franco. 'Os bons espíritos mandam mensagens e não cobram nada. Se nos beneficiarmos desse dom, estaremos cometendo um crime.'

''Os espíritos me aconselharam a dedicar-me à divulgação das idéias. Eles me mandaram abrir uma gráfica e deixar outras pessoas assumirem as obras sociais''
ZIBIA GASPARETTO, justificando o abandono do centro espírita para se dedicar aos negócios

Para escapar das críticas sem perder os adeptos de sua linguagem simples, com tramas de suspense, Zibia define-se hoje como 'espírita independente'.

Transferiu a responsabilidade da opção pela livre iniciativa para os mortos. 'Os espíritos me aconselharam a dedicar-me à divulgação das idéias', justifica. 'Eles me diziam: 'Você precisa abrir uma gráfica'.' Pelo jeito, Adam Smith, Henry Ford e John Pierpoint Morgan devem ser algumas dessas almas inquietas, pois a estratégia deu certo. Zibia conquistou as grandes livrarias e as listas dos mais vendidos. Derrubou as muralhas da doutrina e abriu um filão no mercado que não pára de crescer. Na última Bienal do Livro em São Paulo, em 2002, por exemplo, uma pesquisa do Sindicato Nacional dos Editores mostrou que, entre 1.700 visitantes, os livros espíritas ficaram em segundo lugar como área de interesse. Só perderam para a categoria romance.

Zibia, enfim, captou bem as vibrações do mercado ao investir numa espécie de romance do Além. Perdeu fãs mais rigorosos, como a bancária Maria Bacchiega, que se tornou espírita depois de ler uma de suas obras antigas. 'Entrei na doutrina porque achava os livros dela muito bonitos, mas depois ela fugiu dessa linha e parei de comprá-los', critica. As baixas, no entanto, são compensadas pelo número crescente de novos leitores que, sem crença definida, buscam na possibilidade da vida depois da morte não um preceito filosófico, mas um alento para as dores deste mundo. 'Ela hoje pega mais leve nas causas espíritas que os outros autores, tem um estilo mais romanceado. Não sou espírita e gostei de seu lançamento mais recente, Tudo Tem Seu Preço', diz a webmaster Vera Moraes.

O filho Luiz foi o guia espiritual da família Gasparetto na transição da caridade para o business. Foi por influência dele que a família tratou de trocar a ortodoxia da doutrina pela individualidade da auto-ajuda - e chamou isso de 'metafísica'.

Ele também deixou de falar em mediunidade. Prefere 'sexto sentido'. No passado, Luiz já emprestou as cordas vocais ao impressionista francês Toulouse-Lautrec para que desse uma entrevista na TV Cultura. Mas hoje ele dá pouca atenção a espíritos de mestres como Leonardo da Vinci porque está dividido entre atividades mais rentáveis: cursos para platéias que chegam a mais de 3 mil pessoas e um programa na Rádio Mundial, em São Paulo. Contratado pela diretora Miriam Morato, é o apresentador mais importante da emissora. Em breve estreará na TV CBS, em UHF, e na NET. 'Se eu tenho dom, por que não vou ganhar dinheiro com isso?', desafia. 'O espiritismo é estruturado em cima do assistencialismo, que é um veneno. Achavam Chico Xavier lindo porque se sacrificava. Podem me odiar, mas ninguém vai se aproveitar de mim. Hoje não tenho religião.'

''O espiritismo é estruturado em cima do assistencialismo, que é um veneno. Achavam Chico Xavier lindo porque se sacrificava. Podem me odiar, mas ninguém vai se aproveitar de mim. Hoje não tenho religião'' LUIZ GASPARETTO

Luiz chega a ganhar R$ 40 mil em um único dia de curso e sonha em ser um pop star da auto-ajuda. Compra suas roupas em Los Angeles, onde mantém uma casa, gosta de novidades gastronômicas, só anda com motorista e aposta na imagem de self made-man. Está longe de ter a fama da mãe, mas tem se esforçado para ser seu herdeiro. Fiel aos preceitos divulgados em seus livros e cursos - 'O que conta é a idéia que a pessoa faz dela própria' -, difunde um excelente conceito de si mesmo. 'Sou a pessoa mais interessante que conheço', garante.

Longe das críticas, a família Gasparetto vive em alegre turbulência. Além dos cinco membros de carne e osso, há os respectivos espíritos que freqüentam o corpo de cada um. Curiosamente, eles respeitam o horário comercial para fazer contato, como convém a seres de luz evoluídos. 
Lucius, por exemplo, que ditou 18 dos 24 livros de dona Zibia, visita sua anfitriã de segunda a quinta-feira e foi um membro do parlamento inglês - uma das poucas revelações que deixou escapar sobre suas muitas encarnações. Trata-se de um espírito de temperamento reservado, que não gosta de falar do passado. 
Zibia, mulher de educação antiga, filha de um cafeicultor da região de Campinas que quebrou na crise de 1929, prefere não se meter na vida - opa! - do amigo celestial. 'É feio ficar perguntando, não gosto de constrangê-los.'

NEGÓCIOS
Pedro (à esq.) e Irineu (meio) administram um curtume em Mogi das Cruzes e a Fundação Aldo Gasparetto, que profissionaliza 25 jovens carentes. Pedro vê e ouve os espíritos. Irineu 'recebe' letras e melodias de grandes nomes do além-samba. Em nome deles, gravou seleções em CD (à esq.)


Luiz tem como visitante mais assíduo de seu corpo esculpido por horas de balé e biodança um caboclo mineiro chamado Calunga. Sem dentes, descalço e vestido de linho bege, ele é 'um fantasma meigo e violentamente sábio'. Em meio à série Calunga, composta de dez fitas cassete com orientações espirituais, estão títulos como Tá Tudo Bão e Sentado no Bem. Calunga incorpora em Luiz durante os programas de rádio e apresenta aos ouvintes 'as mais belas e elevadas verdades da vida'. A maior das revelações 'na perspectiva dos desencarnados' é: 'O importante é ter paz no coração'.

'Os bons espíritos não cobram nada e são eles os autores. Se nós nos beneficiarmos, estaremos cometendo um crime''

DIVALDO PEREIRA FRANCO,apontado como o sucessor de Chico Xavier e já vendeu 7,5 milhões de livros. Vive de sua aposentadoria.

Irineu, o músico, é mais tímido. A família descobriu que ele era intérprete mediúnico dos mestres falecidos em uma festa. De repente, ele mudou de fisionomia e murmurou canções. Logo fazia shows incorporando estrelas do além-samba. 'E eu nem curtia música brasileira. Gostava era de Beatles e Elvis', diz. Os gringos até apareceram para ditar alguns versos. Mas não deu muito certo. 'Meu inglês é muito ruim', desculpa-se o médium. Nessas ocasiões, ele recebe a ajuda do irmão, poliglota. Numa delas, apareceu John Lennon. 'Levei um susto, o cara estava em meu quarto', conta Luiz. Dia desses apareceu Dolores Duran, a musa que, aos 29 anos, chegou em casa ao amanhecer e disse à empregada: 'Estou cansada. Vou dormir até morrer'. Mulher de palavra, teria restado à cantora mandar suas composições por Irineu. O médium anotou os versos e mostrou ao irmão. 'Se essa é Dolores, piorou muito', disse Luiz, em um dos raros momentos de crítica às almas.

Até 1950, a família era tradicional, pacata mesmo. Aldo Gasparetto, um ex-seminarista, era representante comercial. Zibia, que trabalhou num banco até se casar, era católica distraída. A vida de classe média transcorria sem sobressaltos, dois filhos crescendo com saúde, quando Zibia saltou da cama e saiu andando num passo de homem, discursando em alemão. O marido demonstrou possuir nervos titânicos. Nem correu. Apenas chamou a vizinha, espírita. Depois de uma oração, Zibia voltou ao normal. 'Aldo ficou preocupado porque eu não era dada a chiliques', conta. 'Aparentemente era uma pessoa normal, equilibrada.' Em busca de respostas, os Gasparettos mergulharam na doutrina espírita. Zibia estudou até a 4a série, mas lia desde os 5 anos. Fã de Agatha Christie, escrevia contos policiais. Acabou dedicando-se a outros mistérios pelas mãos de Lucius, que se revelou um espectro fiel, mas lento. Levou cinco anos para ditar o primeiro livro, O Amor Venceu. Hoje, com as novas necessidades do mercado editorial, aumentou a produtividade para cerca de um romance por ano. Aldo Gasparetto morreu do coração, em 1980. Os filhos dizem que aparece para dar palpites sobre a administração dos bens. Como nos romances de Zibia, a morte não é barreira para o amor. Nem para os negócios. 

Com quase 40 anos de carreira, Zibia Gasparetto tornou-se a mais bem-sucedida escritora brasileira. Desde 1965 vendeu mais de 5 milhões de livros


ANO
LIVRO
VENDAGEM
1965
O Amor Venceu
420 mil
1968
O Morro das Ilusões
300 mil
1982
Bate-papo com o Além
100 mil
1984
O Matuto
260 mil
1985
Esmeralda
230 mil
1986
Entre o Amor e a Guerra
210 mil
1986
Pedaços do Cotidiano
120 mil
1987
O Mundo em que Eu Vivo
80 mil
1987
Laços Eternos
590 mil
1988
O Fio do Destino
190 mil
1988
Voltas que a Vida Dá
210 mil
1989
Espinhos do Tempo
180 mil
1992
Quando a Vida Escolhe
240 mil
1993
Somos Todos Inocentes
20 mil
1995
Pelas Portas do Coração
250 mil
1996
A Verdade de Cada Um
230 mil
1996
Sem Medo de Viver
260 mil
1997
Pare de Sofrer
120 mil
1998
Conversando Contigo!
50 mil
1998
O Advogado de Deus
210 mil
1999
Quando Chega a Hora
19 mil
2001
Ninguém É de Ninguém
340 mil
2001
Quando é Preciso Voltar
200 mil
2002
Tudo Tem seu Preço
220 mil
 
Chegou ao recorde pessoal de concluir seis obras em apenas 15 minutos. Irineu, de 50 anos, é uma compilação ambulante da MPB. Incorpora várias gerações de sambistas, de Catulo da Paixão Cearense a Pixinguinha. Os outros dois filhos, Pedro, de 55 anos, e Silvana, de 45, vêem e ouvem espectros conversadores, mas preferem se dedicar à administração dos negócios. 


AUDIÊNCIA -Os cursos de Luiz são freqüentados por pessoas de classe média

Luiz Gasparetto faz programas na TV e no rádio, às vezes incorporado pelo espírito do mulato Calunga (terceira foto da esq. para dir.), faz shows (primeira foto à esq.), escreve livros de auto-ajuda (foto à dir.) e pinta quadros inspirados pelos grandes mestres, como o atribuído a Leonardo da Vinci (segunda foto da esq. )







REVISTA ÉPOCA
ARTIGO.: A FAMÍLIA DO ALÉM
Matéria: “O Fenômeno Gasparetto. Conheça a família que transformou o Espiritismo e a mediunidade num negócio milionário.”
Por.: Solange Azevedo e fotos de Maurilo Clareto
COLABORARAM TIAGO CORDEIRO E ROSÂNGELA BAÍA
Edição 261 – 28/05/2003

Se deseja compartilhar e divulgar estas informações, reproduza a integralidade do texto e cite o autor e a fonte. Obrigada. Hospital Espiritual do Mundo.

4 comentários:

  1. Não conseguiria escrever uma mensagem para cada um, mas querendo que receba meu carinho e gratidão por mais esse ano de amizade e convivência deixo aqui meus desejos


    Quisera
    neste Natal
    armar uma
    árvore dentro do
    meu coração e nela
    pendurar, em vez de
    presentes, os nomes de
    todos os meus
    amigos. Os amigos de longe e
    os de perto. Os antigos e os mais
    recentes. Os que vejo a cada dia e os
    que raramente encontro. Os sempre lembrados
    e os que as vezes
    ficam esquecidos. Os
    constantes e os intermitentes.
    Os das horas difíceis e os das horas
    alegres. Os que sem querer magoei ou,
    sem querer me magoaram. Aqueles a quem
    conheço profundamente e aqueles que me são
    conhecidos apenas pelas aparências. Os que pouco
    me devem e aqueles
    a quem muito devo. Meus
    amigos humildes e meus amigos
    importantes. Os nomes de todos os
    que já passaram pela minha vida. Uma
    árvore de raízes muito profundas, para que
    seus nomes nunca mais sejam arrancados do
    meu coração. De ramos muito extensos, para que
    novos nomes, vindos de todas as partes, venham juntar-se
    aos existentes. De sombra
    muito agradável, para que nossa
    amizade seja um momento de repouso,
    nas lutas da vida. Que o natal esteja vivo em cada dia
    do ano novo que se inicia, para que as luzes e cores da vida
    estejam presentes em toda a nossa existência e concretizem, com
    a ajuda de Deus, todos os nossos desejos. Feliz Natal!
    Feliz Natal!
    Feliz Natal!
    Feliz Natal! Feliz Natal!


    QUE A HARMONIA, O SENTIMENTO DE SOLIDARIEDADE E COMPAIXAO, O RESPEITO E AS ALEGRIAS DESSA ÉPOCA DO ANO SE SOLIDIFIQUEM NO MAIS PURO AMOR, ENCHENDO DE LUZ TODOS OS CORAÇOES...
    E QUE ESSA LUZ ALCANCE TUDO E TODOS... MUITA PAZ!
    Com amor
    Regina

    ResponderExcluir
  2. OI MINHA AMIGUINHA LINDO TEXTO, ADOREIIIII LER SOBRE A ZIBIA ADORO LER SEUS LIVROS, JA ME AJUDARAM MUITO E COMPREENDER ALGUMAS COISAS TBM.AMIGA ESPERO QUE ESTEJA E VOTE AOS POUCOS SUA VIDA NORMAL..COM CARINHO NEUSA

    ResponderExcluir
  3. MINHA QUERIDA AMIGA QUE MARAVILHOSA POST QUE MENSAGEM IMPORTANTE E MARAVILHOSA PEÇOA VOCE LICENÇA PARA COPIAR E POSTAR EM MEU BLOG UMA REPORTAGEM MUITO IMPORTANTE E SIGNIFICATIVA
    UMA LIÇÃO DE VIDA E CONHECIMETO IMPORTANTISSIMO
    PARABENS QUERIDA VENHO DESEJAR A VOCE E SEUS FAMILIARES UM FELIZ NATAL COM MUITA PAZ ESPERANÇA NAS PROMEÇAS DE CRISTO,NA CASA DE MEU PAI HÁ MUITAS MORADAS,SE ASSIM NÃO FOSSE NÃO VOS TERIA DITO VOU PREPARAR-VOS LUGAR,,
    QUE O ANO NOVO POSSA TRAZER CONFORTO PARA SEUS CORAÇÕES ALEGRIAS E MUITA FÉ NO AMANHÃ
    OBRIGADA POR SEU CARINHO E AMIZADE NESTE ANO QUE FINDA QUE NOSSA AMIZADE POSSA REINICIAR O ANO
    FORTALECIDA E RENOVADA PELA FÉ PELO AMOR
    VOCE É MINHA IRMÃ MUITO QUERIDA FELIZ NATAL BJS MARLENE

    ResponderExcluir
  4. LUZ DIVINA--NATAL

    Há dois mil anos! Passa colossal:
    Noite iluminada em saudade!
    Luz, pureza, amor, e humildade,
    Apontando no lar, noite de Natal…

    Pinheiros desperta, luz paternal;
    Ao nascimento da alta divindade:
    Nas palhas inspira a humanidade
    A encarnar nos homens a moral…
    Finda a prece, vem a aurora radiante:
    Radiosa estrela no horizonte;
    Pura, bela, ridente, despontou.

    A aureolar no olhar divino de Deus!
    Que sempre esclarecendo todos os Céus
    No caminho, da vida que nos traçou…

    beijinhos de luz e paz...

    ResponderExcluir

Não se Preocupe! Os comentários aparecerão em breve.